Capacitação para enfermeiros


Simpósio Sul Fluminense de Prevenção e Tratamento de Lesões de Pele

Publicado em 8/8/2018

Aconteceu, pela segunda vez em Volta Redonda, o Simpósio Sul Fluminense de Prevenção e Tratamento de Lesões de Pele. O evento foi realizado nessa terça-feira, dia 8 de agosto, no auditório William Monachesi, localizado no campus Olezio Galotti. A conferência destinada aos profissionais da área da Enfermagem reuniu 500 pessoas de todo o estado.

O evento abordou tópicos que cobrem grande parte dos problemas relacionados a Segurança do cliente com risco ou Lesão Cutânea. Os organizadores são o UniFOA, o Hospital São João Batista, a Associação Brasileira de Enfermagem, a Secretaria Municipal de Saúde e a ConvaTec.

O objetivo principal do simpósio foi reunir especialistas capacitados para atualizar os participantes sobre os cuidados na área. “Quando planejamos o evento pensamos que seria um ganho profissional importante para os alunos da graduação e do mestrado. Recebemos também o público externo, estamos de braços abertos para acolher àqueles que desejam avançar no conhecimento”, pontuou a coordenadora do curso de Enfermagem e do Mestrado em Ensino em Ciências da Saúde e do Meio Ambiente, Ilda Cecília Moreira.  

O trabalho com representantes de diferentes áreas contribui com novas ideias de cuidado e facilita o desenvolvimento de futuros projetos. “Pudemos mostrar as novas tecnologias e tudo que há de mais moderno atualmente no campo das lesões. A necessidade de atualização é comum a todos os profissionais e a capacitação só tem a contribuir com a saúde da população”, destacou a ex-aluna do curso de Enfermagem e funcionária da ConvaTec, Eluana Pacheco.

O custo dos curativos ainda é uma barreira na profissão. “Temos um mito muito grande de que os curativos são muito caros, mas, na verdade, não são todos que sabem cobrar. Aos poucos vamos aprendendo para que consigamos ter esse retorno. Como o enfermeiro se cadastra, quem pode fazer, como é cobrado e como os curativos podem ser realizados ganhando dinheiro”, comentou a enfermeira da Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro, Andrea Coutinho.


Veja Também: