Desde 2019 o Inova San contribui para a inovação da região Sul Fluminense

Com o propósito de motivar o empreendedorismo e inovação na Região Sul Fluminense, o Inova San é um dos programas educacionais mais respeitados do país. Fundado em 2019 pelo Instituto Nissan, a ação propõe temáticas a universidades e escolas com assuntos relacionados à tecnologia, colaboração e conteúdo. Nesta 3ª edição, a transmissão será pelo canal do YouTube do Inova San.

A primeira fase do programa, titulada Sparking Festival, aconteceu entre os meses de setembro e outubro. Nesta etapa os inscritos participaram de eventos que ajudaram na definição e desenvolvimento de seus projetos, palestras e sessões de bate papos. Na segunda fase, Feeding, os participantes realizarão a trilha de modelagem de negócios e contam com a orientação personalizada para os projetos escolhidos. Este trecho acontece entre os meses de outubro e dezembro. Por último, a fase Growth, no ano de 2022, os vencedores dos 3 grupos, sendo um de cada categoria (Mulheres & Inovação, Meio Ambiente e Mobilidade Inteligente), receberão como prêmio todo suporte para desenvolverem seus projetos, além do curso de extensão para aprimorar seus conhecimentos.

Segundo o professor Alexis Aragão, o estudante precisa aprender a desenvolver projetos, mas também a fortalecer a iniciativa de metodologia mais adequada ao mercado de trabalho, perfil empreendedor, além das habilidades como altruísmo, liderança, gestão e comunicação.

Segunda fase (Feeding)

Dois grupos de estudantes da instituição foram classificados para a segunda fase do programa. A equipe é composta por alunos dos cursos de Design, Publicidade e Propaganda e Jornalismo. Um dos projetos chama-se “Mapi”, onde os acadêmicos Lucas Guedes, Paula Machado, Gabrielle Moraes, Juliana Souza e Leonardo Castilho arquitetaram uma forma mais segura para que as pessoas pudessem se locomover de um ponto a outro da cidade.

Leia também:  Projeto Gente da FOA aborda experiência do cliente e construção de marca

O professor do curso de Design, Marcos Kazuiti mentor do projeto, diz que a ideia se trata de inclusão de inovação social que tende a crescer, pois os processos de metodologia estão chegando às comunidades, impactando os microcosmos que não eram atingidos e que são mais carentes se tratando de segurança, principalmente no Rio de Janeiro e algumas localidades de Volta Redonda e Barra Mansa. “A violência é algo sistêmico de resolver, mas pequenas atitudes podem fazer com que tenhamos um vetor regional. A relevância do projeto é a capacidade de usar a mundo digital para impactar no assessoramento nas comunidades”, disse Kazuiti.

O segundo grupo, cujo nome do projeto é “Líder Las”, das alunas Gabrielle Matos e Bruna Brito focam no desenvolvimento e espaço igualitário das mulheres no mercado de trabalho. Bruna diz que escolheram esse tema pois perceberam que na região Sul Fluminense há muitas empresas e a maior parte composta por funcionários homens e com isso acaba tendo uma desigualdade de gênero muito grande. Sobre a mentoria feita também pelo professor Marcos Kazuiti, o projeto das alunas destaca-se por entender a importância da inclusão feminina, que por sua vez, teve por bastante tempo um protagonismo invisível por conta do sistema machista imposto.

 

Por Ana Bonifácio – Estagiária de Comunicação

COMPARTILHAR

Leia também...

Escolha abaixo a melhor opção

Olá! Sou seu assistente Virtual. Posso te ajudar?

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Saiba mais.

Luciana Pereira Pacheco Werneck

Especialização em Gerenciamento de Projetos
Data de admissão: 01/02/2018
Disciplinas lecionadas

Luciana Pereira Pacheco Werneck

Especialização em Gerenciamento de Projetos
Data de admissão: 01/02/2018
Disciplinas lecionadas

Luciana Pereira Pacheco Werneck

Especialização em Gerenciamento de Projetos
Data de admissão: 01/02/2018
Disciplinas lecionadas