Veja a diferença entre Engenharia Elétrica e Eletrônica

Muitos alunos que estão prestando vestibular ficam em dúvida sobre qual carreira seguir. A depender da área de atuação, essa confusão pode aumentar. Esse é o caso de quem procura saber a diferença entre Engenharia Elétrica e Eletrônica, que são duas áreas promissoras e de imenso conhecimento técnico. Para quem busca as respostas, podemos resumir essas diferenças de maneira bem objetiva.

A Engenharia Elétrica aborda o estudo e os conhecimentos de como a energia é gerada e como ocorrem os processos para a sua transmissão e distribuição. Já a Engenharia Eletrônica estuda o desenvolvimento de dispositivos eletrônicos, de menor tensão e em menor escala. Assim, os Engenheiros Eletrônicos atuam na criação de aparelhos como smartphones, tablets, computadores e semelhantes. Ambas as carreiras possuem alta demanda na sociedade atual, sendo possível atingir o sucesso financeiro em qualquer uma delas.

Para quem busca saber mais sobre essas áreas, elaboramos este artigo que também mostrará sobre as grades e diferenças entre esses cursos de Engenharia, mercado de trabalho e média salarial dos profissionais. Ficou interessado no assunto? Continue a sua leitura até o final!

Entenda o que é Engenharia Elétrica

A Engenharia Elétrica, como mencionamos, é o setor da Engenharia que busca entender o processo de formação, transmissão e distribuição da eletricidade. Profissionais que atuam nessa área costumam atuar em projetos de maior escala e de alta tensão. As únicas exceções ficam para sistemas de transmissão de dados, que também são de competência desses engenheiros.

Grandes sistemas de telefonia, por exemplo, podem ser projetados por esses profissionais. Sistemas maiores de formação de energia, como criação de hidrelétricas e outros projetos de grande porte — que envolvam alta tensão — também são exemplos de atuação.

Para quem se preocupa com o meio ambiente e busca ter uma atuação positiva na sociedade, saiba que vários projetos de energias renováveis (como a eólica) são de competência do Engenheiro Elétrico. Além disso, carros elétricos e até mesmo os painéis solares podem ter a atuação e influência desse profissional, que terá um papel cada vez mais de protagonista na sociedade moderna e nesse período de transição das matrizes energéticas.

Leia também:  Faculdade de Odontologia: descobrindo o sorriso

Grade do curso

Como é de se esperar, a grade do curso é recheada de conteúdos sobre física e temas que envolvem instalações elétricas. Parte da graduação também aborda circuitos eletrônicos de menor escala, mas, essa não é o foco desse ramo da Engenharia. Há também uma parte sobre transmissão de dados, um pouco de estudo de química e, é claro, um trabalho de conclusão de curso que cobra do aluno seus conhecimentos adquiridos sobre os sistemas elétricos.

Mercado de trabalho

O mercado de trabalho para Engenheiro Eletricista está bem aquecido. Os segmentos da construção civil, automação e telecomunicação estão com alta demanda, justamente por conta do constante refinamento das nossas obras de infraestrutura e crescimento urbano. A área de fornecimento de energia elétrica também demanda profissionais (especialmente aqueles com especialização em hidrelétricas e energias renováveis).

Média salarial

A média salarial para um Engenheiro Eletricista é de cerca de R$7.200,00. A carga horária de trabalho semanal costuma ser 40 horas, podendo variar de acordo com setor e cargo ocupado.

Conheça as características da Engenharia Eletrônica

A Engenharia Eletrônica, como também informamos no início deste artigo, é a área que estuda, projeta e desenvolve componentes e dispositivos eletrônicos. Os projetos são de menor tensão e menor escala, mas isso não significa que sejam menos importantes. Na realidade, o trabalho do Engenheiro Eletrônico nunca esteve tão em alta.

Leia também:  9 dicas sobre como desenvolver confiança para o vestibular

Isso porque todo computador, smartphone, tablet necessitam do conhecimento desse profissional. A automação industrial e a eletrônica de consumo, de maneira geral, depende desse engenheiro para a criação de novos produtos. Muitos deles são usados na cadeia produtiva, bem como na nossa sociedade moderna, de maneira constante.

Assim como no caso anterior, a demanda por esse profissional é altíssima. As diferenças residem apenas na especialização do conhecimento, que, nesse caso, é voltado para circuitos de menor tensão e tamanho.

Grade do curso

A grade do curso é similar à da Engenharia Elétrica. No entanto, o foco é dirigido para sistemas menores. A noção de lógica e programação também são incluídas para que o profissional entenda mais sobre as principais funções e propósitos das placas de circuitos que serão projetadas. A ênfase é dada para a física e na parte prática, é direcionada para a criação de pequenos sistemas em laboratório. O estudo é praticamente especializado em circuitos que possam ser aplicados de maneira quase que imediata.

Mercado de trabalho

O mercado de trabalho está muito aquecido e a previsão é de alta para os próximos anos. Isso porque a cada ano, a sociedade se torna mais dependente de dispositivos eletrônicos e gadgets, como partes integrantes das vidas das pessoas. Os smartphones são apenas um desses exemplos, mas com a expansão das tecnologias inteligentes, é provável que surjam novas invenções e produtos que ajudem ainda mais em nosso cotidiano.

Praticamente qualquer indústria precisa ter pelo menos um Engenheiro Eletrônico para conseguir desempenhar um bom papel no seu setor. A produtividade e a melhoria dos equipamentos de produção também é de competência desses profissionais. Portanto, esse é um dos melhores cursos da atualidade.

Média salarial

A média salarial do Engenheiro Eletrônico é R$7.700.,00. Embora possa existir uma variação na carga horária de trabalho, em geral, é 40 horas semanais, dependendo do cargo ocupado e setor que o profissional atua.

Leia também:  Emprego ou estágio: saiba qual é a melhor opção para você

Saiba como escolher entre as duas profissões

Para quem tem dúvidas e não sabe qual escolher, saiba que o processo de decisão não é tão difícil quanto parece. Como demonstramos, o escopo das duas profissões, apesar de serem parecidos, atuam de maneira bem distinta no mercado de trabalho.

Aqueles que possuem mais relação com o ambientalismo, construção civil e projetos de urbanização, devem gravitar em direção à Engenharia Elétrica, uma vez que essa é a área responsável por esses projetos de maior porte e com a característica de alta tensão.

Já aqueles que gostam mais de eletrônicos e de gadgets no geral, devem escolher a Engenharia Eletrônica para poder trabalhar com esses dispositivos. O trabalho nesses projetos tem a característica de baixa tensão e a importância da atividade não é reduzida em função disso, muito pelo contrário.

Em relação ao salário, como vimos, o piso dessas categorias é bem parecido. Por isso, essa não é uma variável que fará grande diferença na sua escolha, já que ambas as profissões garantem bons rendimentos mensais.

Esperamos ter esclarecido a diferença entre Engenharia Elétrica e Eletrônica e dirimido suas eventuais dúvidas. Como você pôde verificar, essas são áreas de atuação que apresentam grandes possibilidades de crescimento profissional. As expectativas de demanda para ambas são enormes e, estima-se que os formados conseguirão aproveitar boas oportunidades no mercado de trabalho nas próximas décadas.

Gostou deste artigo? Entre em contato conosco e conheça mais sobre nossos cursos de graduação — dê início no seu sonho e comece a melhorar sua vida hoje mesmo!

COMPARTILHAR

Leia também...

Escolha abaixo a melhor opção

Olá! Sou seu assistente Virtual. Posso te ajudar?

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Saiba mais.

Luciana Pereira Pacheco Werneck

Especialização em Gerenciamento de Projetos
Data de admissão: 01/02/2018
Disciplinas lecionadas

Luciana Pereira Pacheco Werneck

Especialização em Gerenciamento de Projetos
Data de admissão: 01/02/2018
Disciplinas lecionadas

Luciana Pereira Pacheco Werneck

Especialização em Gerenciamento de Projetos
Data de admissão: 01/02/2018
Disciplinas lecionadas