Imposto de Renda pode voltar a isentar até 2 salários mínimos 

Imposto de renda

Estamos nos aproximando daquela época do ano em que temos que apresentar a declaração do Imposto de Renda (IR), o que deixa muita gente de cabelo em pé. Este ano, o governo federal tem um imbróglio para resolver, pois os que recebem até dois salários mínimos podem ter que pagar o IR, uma vez que perderam a isenção a partir do reajuste do piso nacional, que passou de R$ 2.640 para R$ 2.824.  

Vamos entender. Em maio de 2023, o governo federal criou uma medida provisória para corrigir a tabela do IR aumentando a isenção para até dois salários mínimos. A partir de 1º de janeiro deste ano, o aumento real do salário mínimo ficou em cerca de 6%, mas a tabela não foi ajustada, obrigando o IR a tributar quem ganha até dois salários. Esta semana, o governo federal garantiu que vai reverter o quadro, mesmo não revelando de que forma.  

Para o economista e professor do curso de Ciências Contábeis do Centro Universitário de Volta Redonda – UniFOA, Bruno Visconti, “o reajuste da tabela do IR é um tema espinhoso que muitos governantes que passaram pelo poder não tiveram a capacidade (ou a vontade política) de mudar. Mas quanto mais complexo o tema mais devemos falar, divulgar e debater, sempre com muita pesquisa e estudo, como fazemos em sala de aula, para não passar a informação errada”.  

Leia também:  Congresso Médico UniFOA 2023 abre inscrições nesta quarta-feira (12)

De acordo com o professor, o governo federal terá que resolver o problema criado, porque “sem dúvida a população que ganha até dois salários mínimos e se enquadra na alíquota mínima de Imposto de Renda terá seu poder aquisitivo prejudicado, pois pagará 7,5% de imposto de renda sobre uma parte dos seus rendimentos”, afirmou.   

  

Imposto de Renda em sala de aula  

O professor explica que ensina aos alunos do curso de Ciências Contábeis sobre tributação de maneira abrangente, como parte da política fiscal, onde o governo arrecada para poder ter recursos para gastar. Além disso, aborda a questão da progressividade do IR, de como esse imposto tende a ser mais “justo”, no sentido de cobrar mais de quem tem mais renda (mais poder de contribuir).  

Nesse sentido, há a realização de debates das questões das alíquotas de IR e das faixas de renda de cada uma. “Nossa base tributária, digamos assim, é baixa. Um indivíduo que ganha mais de R$ 4.665 – que é um salário razoável, mas não torna ninguém rico -, cai na alíquota maior do IR. Outra questão é a própria alíquota em si, pois a máxima é de 27,5%. Outros países têm alíquotas de IR bem superiores”, explicou.  

Apesar do retorno da tributação para a população, o IR Pessoa Física do Brasil não está entre as maiores alíquotas do mundo, mas em termos de carga tributária total, se considerar os impostos sobre consumo e patrimônio, o quadro muda e o país figura entre as maiores do mundo. Países escandinavos, por exemplo, têm altas cargas tributárias, mas o retorno que a sociedade recebe em termos de qualidade de vida é bem superior.  

Leia também:  Aluna, egressos e professor do UniFOA conquistam 3º lugar em premiação da Unimed

“Existe no Brasil um amplo debate de quais são as melhores formas de se tributar, o que é mais eficiente, qual é mais progressiva (de maneira a fazer com quem tem maior capacidade de contribuir contribua com mais) e essa discussão é salutar, pois precisamos melhorar o retorno dos impostos com mais benefícios”, finalizou.  

  

Datas de entrega do Imposto de Renda 2024 

Os contribuintes brasileiros terão entre os dias 15 de março e 31 de maio para entregar a declaração do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) de 2024, segundo estabeleceu a Receita Federal.  

São obrigados a declarar o Imposto de Renda contribuintes que receberam rendimentos tributáveis superiores a R$ 28.559,70 em 2023, o que representa cerca de dois salários mínimos por mês. A faixa de isenção do Imposto de Renda para quem recebe é de até R$ 2.112,00. 

  

Confira a tabela do Imposto de Renda 2024  

Faixa      Base de cálculo mensal             Alíquota    Parcela a deduzir IRPF 

1ª faixa    Até 2.112,00                                            0                             0 

2ª faixa    De R$ 2.112,00 até R$ 2.826,65     7,5%                       R$ 158,40 

3ª faixa    De R$ 2.826,66 até R$ 3.751,05     15%                        R$ 370,40 

Leia também:  Cont in Rio: UniFOA marca presença em evento promovido pelo Conselho Regional de Contabilidade

4ª faixa    De R$ 3.751,06 até R$ 4.664,68      25,5%                    R$ 651,73 

5ª faixa    Acima de R$ 4.664,68                      27,5%                     R$ 884,96 

  

Fonte: Receita Federal 

COMPARTILHAR

Leia também...

Escolha abaixo a melhor opção

Olá! Sou seu assistente Virtual. Posso te ajudar?

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Saiba mais.

Luciana Pereira Pacheco Werneck

Especialização em Gerenciamento de Projetos
Data de admissão: 01/02/2018
Disciplinas lecionadas

Luciana Pereira Pacheco Werneck

Especialização em Gerenciamento de Projetos
Data de admissão: 01/02/2018
Disciplinas lecionadas

Luciana Pereira Pacheco Werneck

Especialização em Gerenciamento de Projetos
Data de admissão: 01/02/2018
Disciplinas lecionadas