Odontologia do UniFOA realiza debate sobre acolhimento a comunidade LGBTQIA+

lgbtqia+

Em todo o mundo, o mês de junho é marcado pela conscientização sobre a luta diária da comunidade LGBTQIA+ pela garantia de seus direitos como cidadãos. O dia 28 desse mês está registrado como Dia Internacional do Orgulho LGBTQIA+ para evocar e legitimar cada avanço conquistado em busca de equidade perante à vida e o respeito como pessoas dentro de uma sociedade, além de ser uma grande oportunidade para celebrar a diversidade e acreditar que é possível construir um mundo onde a pluralidade seja valorizada e não hostilizada.

Com intuito de fortalecer essa campanha, a Liga Acadêmica de Estomatologia e Patologia Oral do curso de Odontologia do Centro Universitário de Volta Redonda (UniFOA) promoveu uma mesa redonda com estudantes e professores da instituição sobre os impactos do acolhimento médico e odontológico à comunidade LGBTQIA+. Em um debate interativo, realizado na última quarta-feira (05), os organizadores buscaram conscientizar os alunos sobre os principais obstáculos encontrados nos atendimentos a pacientes dessa comunidade, como também esclarecer os principais caminhos para superá-los em busca do acolhimento integral a esse público.

Uma recente pesquisa liderada pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) revelou que a comunidade LGBTQIA+ tem maior dificuldade de acesso ao atendimento à saúde, em comparação com o restante da população. O estudo ouviu 1.332 pessoas acima dos 50 anos e concluiu que pertencer a esse grupo a partir dessa idade, no Brasil, reduz a chance de receber um bom atendimento à saúde. A desigualdade também foi observada no índice de depressão, exames de prevenção, como câncer de mama, cólon e colo uterino.

Leia também:  Após 45 anos, 5ª turma de Engenharia Civil promove encontro marcante

As mulheres cis gênero lésbicas, por exemplo, frequentemente esbarram na chamada lesbofobia ginecológica. Muitas ginecologistas negligenciam a saúde dessas mulheres simplesmente por não se relacionarem com homens, deixando de solicitar exames preventivos.

Outra barreira apontada, especialmente por mulheres trans, está na realização de exames clínicos de rotina, como o exame de próstata e no acompanhamento da terapia hormonal, sendo especificidades não solucionadas pelo sistema de saúde brasileiro. Além disso, consequências como estigma e a falta de acesso equânime às oportunidades perpetuam um tratamento excludente e de anulação de direitos essenciais à vida e o bem-estar dessa população.

Arthur Villela, professor do curso de Medicina do UniFOA e um dos convidados para nortear o debate promovido pela liga, explicou que os profissionais da área da saúde precisam estar atentos e terem conhecimento das particularidades da comunidade LGBTQIA+, justamente para realizarem um atendimento com equidade e integralidade:

“Estando atentos e conscientes sobre essas especificidades, os estudantes promovem o acolhimento correto e íntegro à essa população. Debater esses conceitos com os estudantes e conscientizá-los sobre os obstáculos a serem superados é crucial para suas respectivas formações acadêmicas e profissionais”, afirmou Arthur.

A atividade reforça o compromisso do Centro Universitário de Volta Redonda voltado para a conscientização e transformação da sociedade com iniciativas impactantes, que transcendem o âmbito acadêmico. Maíra Tavares, professora do curso de Odontologia e organizadora do debate, afirmou que discutir e esclarecer os estudantes sobre cada tópico atrelado ao assunto é fundamental, não só no mês de junho, como sempre:

Leia também:  O engenheiro das Américas - Ildony Hélio Bellei

“É muito necessário abordar esse tema nos cursos, não só de forma parcial, como de maneira multiprofissional. Precisamos ter um cuidado especializado com à comunidade LGBTQIA+, para que todos eles possam ser tratados da melhor maneira quando preciso, independente da área da saúde”, enfatizou.

COMPARTILHAR

Leia também...

Escolha abaixo a melhor opção

Olá! Sou seu assistente Virtual. Posso te ajudar?

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Saiba mais.

Luciana Pereira Pacheco Werneck

Especialização em Gerenciamento de Projetos
Data de admissão: 01/02/2018
Disciplinas lecionadas

Luciana Pereira Pacheco Werneck

Especialização em Gerenciamento de Projetos
Data de admissão: 01/02/2018
Disciplinas lecionadas

Luciana Pereira Pacheco Werneck

Especialização em Gerenciamento de Projetos
Data de admissão: 01/02/2018
Disciplinas lecionadas