UniFOA Promove Oficina de Comunicação Não Violenta para Docentes

comunicação não violenta

No ambiente educacional, é crucial que os professores não apenas dominem o conhecimento teórico e prático de suas disciplinas, mas também saibam transmiti-los de maneira eficaz e não violenta. Com esse objetivo, o Centro de Aprendizagem e Inovação Pedagógica (CAIP) do Centro Universitário de Volta Redonda (UniFOA) organiza programas de formação continuada para seus docentes, promovendo a discussão de temas relevantes e emergentes. Essas formações buscam capacitar os educadores para elaborar atividades baseadas em objetivos de aprendizagem, utilizando diversas ferramentas e metodologias que incentivem a participação ativa dos estudantes, além de estimular a reflexão crítica e inovadora. 

Entre as diversas oportunidades de formação oferecidas pelo CAIP, destaca-se a oficina de comunicação não violenta (CNV), ministrada pelo professor Edilberto Venturelli, dos cursos de Publicidade e Propaganda e Jornalismo. A oficina teve como objetivo ampliar os horizontes dos docentes através de dinâmicas leves e inspiradoras, visando a incorporação da CNV na formação dos futuros profissionais. 

Edilberto Venturelli explicou que a comunicação não violenta é um método desenvolvido pelo psicólogo americano Marshall Rosenberg, que busca promover relações mais compassivas e empáticas. “A CNV foca em uma expressão honesta e na escuta empática, utilizando quatro componentes: observação, sentimento, necessidade e pedido. Esse estilo de interação encoraja a expressão clara e a compreensão mútua, evitando julgamentos e acusações para promover um diálogo que atende às necessidades de todas as partes envolvidas”, afirmou Edilberto. Ele também ressaltou a importância do autoconhecimento na aplicação dessa metodologia: “Precisamos nos conhecer profundamente para entender como estamos tentando ensinar determinados temas e identificar em quais aspectos precisamos melhorar nosso ensino para os estudantes.” 

Leia também:  [Medicina] selo Saeme de acreditação

A oficina incluiu uma dinâmica interativa em que os professores receberam frases de comunicação violenta e as transformaram em frases de comunicação não violenta, aplicando os conceitos discutidos. “Quando fazemos uso da comunicação não violenta, o receptor da mensagem se torna automaticamente mais aberto ao conteúdo que está sendo transmitido”, enfatizou Edilberto. 

A professora Maria das Graças, responsável pelo CAIP, destacou a importância da oficina para a formação continuada dos educadores. “Além das competências na área de formação, o professor deve estar qualificado para o exercício da cidadania, capaz de atuar criticamente na realidade em que se encontra inserido, preocupado com a inclusão social e a sustentabilidade ambiental, aberto às relações pessoais, à diversidade, ao diálogo e à convivência. Ao desenvolver a habilidade da comunicação não violenta, os docentes criam um ambiente de diálogo, promovem a resolução de conflitos e possibilitam um espaço de ensino mais acolhedor e colaborativo”, explicou Maria das Graças. 

COMPARTILHAR

Leia também...

Escolha abaixo a melhor opção

Olá! Sou seu assistente Virtual. Posso te ajudar?

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Saiba mais.

Luciana Pereira Pacheco Werneck

Especialização em Gerenciamento de Projetos
Data de admissão: 01/02/2018
Disciplinas lecionadas

Luciana Pereira Pacheco Werneck

Especialização em Gerenciamento de Projetos
Data de admissão: 01/02/2018
Disciplinas lecionadas

Luciana Pereira Pacheco Werneck

Especialização em Gerenciamento de Projetos
Data de admissão: 01/02/2018
Disciplinas lecionadas