Professor do UniFOA chama a atenção para a campanha ‘Março Azul Marinho’

campanha

Criada pela Organização Mundial da Saúde – OMS, a campanha Março Azul Marinho alerta para a conscientização e a importância da prevenção ao câncer colorretal, ou do intestino grosso, que compreende tumores localizados no cólon e reto. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer – Inca, o número de novos casos para cada ano do triênio 2023 a 2025, é de 45.630 casos, afetando mais as mulheres do que os homens. A taxa para esse tipo de tumor é alta em todo o mundo, não apenas no Brasil.

O cirurgião e professor de Clínica Cirúrgica do curso de Medicina do Centro Universitário de Volta Redonda – UniFOA, Marcelo Betim Paes Leme, que também é o coordenador do Serviço de Cirurgia Geral do Hospital São João Batista (HSJB), onde orienta os alunos do internato e os médicos residentes, explica que o câncer colorretal ou CCR é um dos tumores mais investigados em todo o mundo, dada a sua incidência, sendo igualmente estudado em sala de aula.

“A partir do oitavo período do curso de Medicina, os alunos têm aula teórica sobre o câncer colorretal, seu diagnóstico e tratamento. Durante o internato de cirurgia, décimo segundo período, eles têm a oportunidade de vivenciar na prática tudo que viram na teoria. Assistem às cirurgias, acompanham o pós-operatório, enfim, participam de todas etapas”, explicou Marcelo Paes Leme.

Leia também:  Nova metodologia do curso de Medicina, MedTech é tema de entrevista no Fato Popular

 

Sintomas e diagnóstico reforçam a importância da campanha

De acordo com o professor Marcelo, existem duas origens do CCR: o esporádico (o mais comum, com 80% dos casos), e o hereditário (20%). Como o nome diz, o hereditário depende da carga genética individual e o esporádico é adquirido pela pessoa através de agressões constantes à mucosa intestinal. A maioria dos tumores (90%), que ocorrem no cólon e reto são do tipo adenocarcinomas.

Se a pessoa tem hábito de consumir regularmente carnes processadas, como presunto, linguiça, bacon, entre outras; consumo excessivo de carne vermelha; apresenta obesidade; consuma álcool em excesso e não faz nenhuma atividade física, precisa ficar atenta, pois são fatores que podem provocar o surgimento do câncer colorretal.

Os sintomas variam de acordo com a posição do tumor no intestino, mas o indivíduo pode apresentar alteração do hábito intestinal, anemia, presença de sangue e de muco nas fezes, além de emagrecimento. A combinação desses hábitos de risco com o surgimento de algum desses sintomas é motivo suficiente para procurar ajuda médica.

As medidas preventivas, então, envolvem principalmente evitar esses fatores, mantendo hábitos de vida saudáveis. A idade também aumenta a chance do aparecimento de tumores nessa região, sendo mais comum em pessoas com mais de 45 anos, mas claro que toda regra tem exceção.

O professor Marcelo esclarece que “o CCR é passível de prevenção e não só do diagnóstico precoce. Assim, para as pessoas a partir dos 45 anos, é recomendado a profilaxia, ou seja, mesmo pessoas assintomáticas devem realizar exames de prevenção, dentre eles a colonoscopia, que apresenta o maior grau de eficácia e ainda permite a retirada dos pólipos, evitando que evoluam para o câncer de intestino”.

Leia também:  Estudantes de Enfermagem promovem treinamento de primeiros-socorros com funcionários do Supermarket

Quando o diagnóstico é realizado em estádio inicial da doença, o índice de cura pode chegar próximo a 100%. Isso não significa que tumores em estádios mais avançados não possam ser curados, mas as chances diminuem e frequentemente é necessário completar o tratamento cirúrgico com quimioterapia.

“A prática de atividade física e o controle do peso, associados à alimentação rica em fibras, baixa ingestão de carne vermelha, carnes processadas e álcool são o caminho para se ter uma boa saúde e evitar o surgimento de pólipos que podem evoluir para um quadro de câncer”, finalizou o professor Marcelo.

 

 

COMPARTILHAR

Leia também...

Escolha abaixo a melhor opção

Olá! Sou seu assistente Virtual. Posso te ajudar?

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Saiba mais.

Luciana Pereira Pacheco Werneck

Especialização em Gerenciamento de Projetos
Data de admissão: 01/02/2018
Disciplinas lecionadas

Luciana Pereira Pacheco Werneck

Especialização em Gerenciamento de Projetos
Data de admissão: 01/02/2018
Disciplinas lecionadas

Luciana Pereira Pacheco Werneck

Especialização em Gerenciamento de Projetos
Data de admissão: 01/02/2018
Disciplinas lecionadas