Em que situações vale a pena fazer uma segunda graduação?

É comum começar a jornada universitária com alguma insegurança — vou me adaptar ao contexto da universidade? Vou gostar do curso? Vou conseguir espaço no mercado com essa profissão? Essas e outras dúvidas podem surgir durante a primeira experiência na faculdade, o que já não acontece na segunda graduação.

Se você optar por repetir a dose do ensino superior, verá que, na segunda vez, não há tantos receios ou medo do desconhecido. Mas será que vale a pena apostar em duas graduações no currículo? Qual o momento certo para isso?

Entenda em que situações a segunda graduação é bem-vinda!

Aprender uma nova habilidade

Além do conhecimento técnico, as empresas têm se preocupado cada vez mais em contratar pessoas que apresentem uma boa relação de soft skills — habilidades comportamentais que moldam o perfil do profissional, como comunicação, liderança etc.

A insegurança que o jovem sente durante sua primeira experiência em uma faculdade pode dificultar a aquisição dessas habilidades. Um exemplo é a timidez na hora de se comunicar ou apresentar trabalhos. Nesse sentido, uma segunda graduação pode ajudar a aperfeiçoar características que ainda não foram bem-lapidadas.

Cumprir exigências do mercado

Após o primeiro diploma de curso superior, as chances de conseguir um trabalho já são boas. Mas algumas vagas requerem formação com foco em áreas específicas de atuação. Nesses casos, a empresa em que você atua pode exigir uma segunda graduação para atender as demandas da rotina profissional.

Leia também:  Descubra o curso de mestrado do UniFOA que pode transformar sua carreira

Mudar de profissão

Um dos principais motivos que levam um profissional à segunda graduação é a vontade de mudar de carreira. Depois de algum tempo de atuação na primeira profissão que você escolheu, pode bater a sensação de que não está exatamente onde gostaria — e não tem problema se isso acontecer. Por que não tentar outra vez, não é?

Preencher lacunas de conhecimento

Na primeira faculdade, a preocupação em se adaptar ao cenário universitário, fazer os estágios e fechar os semestres com boas notas toma conta do estudante. Por isso, nem sempre os programas e atividades extracurriculares que a instituição oferece são bem-aproveitados.

Uma segunda graduação é a oportunidade para explorar melhor outros recursos além do aprendizado previsto na matriz curricular. Um bom exemplo são os programas de iniciação científica, que permitem ao estudante um contato aprofundado com a prática da pesquisa.

Ampliar possibilidades de atuação

Se você tiver tempo e oportunidade para encarar uma segunda graduação, faça isso. Uma das grandes vantagens dessa decisão é se tornar um profissional versátil e ampliar o seu leque de atuação. Pode ser a hora certa também para escolher um curso que atenda suas aspirações pessoais, principalmente se a primeira escolha de faculdade foi baseada em outros critérios.

Por fim, para saber se vale a pena fazer a segunda graduação, você também deve avaliar se o seu momento de vida é ideal para isso — em termos de rotina, disponibilidade e até finanças. Afinal, um curso superior exige dedicação para que o aprendizado seja completo.

Leia também:  Qual a importância da nota do MEC para a instituição de ensino?

Quer mais conteúdos com dicas de estudo e carreira? Siga nossas páginas nas redes sociais e acompanhe nossas novidades! Estamos no Facebook, Instagram, Twitter e LinkedIn!

COMPARTILHAR

Leia também...

Escolha abaixo a melhor opção

Olá! Sou seu assistente Virtual. Posso te ajudar?

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Saiba mais.

Luciana Pereira Pacheco Werneck

Especialização em Gerenciamento de Projetos
Data de admissão: 01/02/2018
Disciplinas lecionadas

Luciana Pereira Pacheco Werneck

Especialização em Gerenciamento de Projetos
Data de admissão: 01/02/2018
Disciplinas lecionadas

Luciana Pereira Pacheco Werneck

Especialização em Gerenciamento de Projetos
Data de admissão: 01/02/2018
Disciplinas lecionadas