O que esperar da faculdade de Medicina?

Ser médico e poder atuar na prevenção, diagnóstico, tratamento e cura de doenças é o sonho de muita gente que está terminando ou já terminou o Ensino Médio. Mas será que todos eles estão preparados para essa carreira? O que esperar da faculdade de Medicina?

Antes de mais nada, pode-se dizer que essa é uma formação bem complexa, afinal, são profissionais que lidam diretamente com a saúde da população. Por isso, o futuro estudante pode se preparar para vivenciar muita prática e estudar bastante, o que será fundamental para entender a complexa máquina que é o corpo humano.

Caso você esteja interessado na carreira médica e ainda tenha dúvidas sobre o assunto, não deixe de acompanhar este post para conhecer pontos importantes do curso e ficar por dentro de como funciona a rotina do aluno de Medicina. Confira!

Muitas horas de estudo

Se você acha que a dedicação aos estudos termina depois de ser aprovado no concorrido vestibular, está muito enganado. O curso de Medicina exige muito esforço durante toda a sua duração, com aulas em período integral e bastante disposição dos alunos para estudar e participar de todas as atividades programadas.

A graduação dura, em média, 6 anos. Nos dois primeiros anos, o foco fica nas disciplinas básicas que vão ajudar a formar o pensamento clínico do aprendiz. Após essa fase, começa o contato com os pacientes e, mais tarde, o treinamento para a prática clínica.

A diferença dos outros cursos superiores é a obrigatoriedade de ter que passar pelo período de residência, após concluir o tempo de faculdade. Essa nova etapa dura cerca de 2 anos e é desenvolvida dentro dos hospitais. Para tanto, o médico já formado precisa passar por mais um processo seletivo.

Leia também:  Não perca 7 dicas de como melhorar o currículo

Teste de resiliência

Se você quer saber o que esperar da faculdade de Medicina, precisa entender o termo resiliência. Dizemos isso porque acompanhar esse curso é um verdadeiro teste para treinar a resiliência dos alunos, já que é preciso:

  • estar preparado para enfrentar situações difíceis;
  • ter determinação para superar obstáculos;
  • saber enfrentar a pressão e o estresse.

A carreira médica exige muita responsabilidade e desde a graduação é possível perceber isso. O objeto de trabalho do médico é a vida das pessoas, ou seja, um erro pode ter consequências muito graves. Logo, as competências comportamentais são tão relevantes quanto o conhecimento técnico para o sucesso de um profissional.

Estômago forte

Conhecer as características de cada profissão é imprescindível antes de escolher um caminho para seguir, não é mesmo? Além da grade curricular, uma outra informação importante para tomar essa decisão é relativa ao dia a dia do profissional.

Nesse caso, o futuro médico deve considerar a sua resistência para lidar com sangue, cirurgias, traumas e afins — o que é chamado popularmente de “ter estômago forte”. Por exemplo, já nas aulas iniciais de Anatomia ele deve encontrar um cadáver.

Sendo assim, essa é uma questão que deve ser considerada, lembrando que tal habilidade pode ser construída ou melhorada ao longo do curso. Muitos dos estudantes se acostumam com o passar do tempo com essas situações e ficam mais resistentes.

Teoria e muita prática

A matriz curricular do curso de Medicina é formada por disciplinas teóricas e práticas desde o primeiro período para que o aluno aprenda sobre o corpo humano e seu funcionamento.

No início, ele participa de práticas laboratoriais (Anatomia, Fisiologia, Bioquímica), simulação em laboratório de habilidades (Propedêutica) e de experiências clínicas em unidades básicas de saúde e Programas de Saúde da Família.

Leia também:  O guia descomplicado para fazer sua matrícula na faculdade

O estudante também vivencia a rotina do médico com atividades em ambiente hospitalar, policlínicas e na Vigilância Sanitária. Ele acompanha ainda disciplinas direcionadas aos aspectos de processo-doença, voltados para o acompanhamento da saúde da criança, da mulher, do adulto e do idoso.

No internato será a chance de aperfeiçoar as habilidades exigidas pela profissão. Fazem parte dessa etapa: consultas, visitas a pacientes, plantões e a possibilidade de estágio em ambulatórios e hospitais-escola. Paralelo a tudo isso, o aluno de Medicina pode ainda ingressar em diferentes projetos de extensão e de iniciação científica.

Internato e residência

Uma dúvida bastante comum para quem não conhece bem a área é distinguir os períodos de internato e residência. O primeiro é uma espécie de estágio que o aluno faz no final do curso como exigência para sua conclusão, normalmente isso acontece nos últimos 2 anos.

O objetivo é passar por várias áreas para adquirir experiência, como Pediatria, Cirurgia, Oftalmologia, Psiquiatria, Clínica e outras. Esse primeiro contato com as especialidades ainda pode ser aproveitado para ajudar na escolha de uma delas.

Já a residência é iniciada depois de o estudante ter concluído a faculdade de Medicina. Todos se formam como profissionais generalistas (ou clínicos gerais) e partem para o aprendizado da especialização que cada um escolher. A prova de residência é um novo vestibular para selecionar os candidatos nos hospitais, que deverão cumprir uma carga horária de aproximadamente 60 horas semanais.

Existe também a possibilidade de não passar pela residência e continuar como generalista ou seguir pela carreira de pesquisa. Quem prefere essa opção pode investir em cursos de mestrado e doutorado para aprimorar a capacitação.

Leia também:  4 dicas de interpretação de texto para mandar bem no Enem

Perspectivas profissionais

Pode ser um desafio enfrentar a maratona de uma faculdade de Medicina, mas podemos dizer que vale muito a pena seguir essa vocação. Além de fazer a diferença na vida das pessoas, outra vantagem é poder atuar em mais de 50 especialidades diferentes.

O médico consegue construir uma carreira sólida na área pública ou privada, em consultórios, clínicas, unidades de saúde, hospitais, empresas e projetos humanitários. Pode ainda optar pela área acadêmica, como professor ou pesquisador. Aliás, em todas essas circunstâncias há boas perspectivas de remuneração, já que a profissão é muito valorizada na sociedade.

Quais especialidades existem?

Se você já está pensando na especialização, imagine que é praticamente como ter que escolher uma nova profissão — ainda que dentro da Medicina, porque as áreas podem ser bem diferentes entre si. Alguns dos estudantes definem com facilidade a vertente que desejam seguir, mas isso não acontece com todo mundo.

Entre as opções mais procuradas estão:

  • Alergologia;
  • Anestesiologia;
  • Cardiologia;
  • Cirurgia Plástica;
  • Dermatologia;
  • Geriatria;
  • Gastroenterologia;
  • Ginecologia;
  • Neurologia;
  • Obstetrícia;
  • Oncologia;
  • Ortopedia;
  • Pediatria;
  • Psiquiatria;
  • Reumatologia.

Como a variedade é extensa, a dica é buscar informação para clarear as ideias e identificar os interesses pessoais.

Enfim, agora você já sabe melhor o que esperar da faculdade de Medicina. Em resumo: bons anos de estudo para uma carreira que, certamente, trará satisfação pessoal e profissional. O vestibular é concorrido e o curso é exigente, mas com esforço e organização é possível realizar esse sonho!

Quer conhecer mais sobre a oportunidade de se tornar um médico? Baixe o nosso e-book gratuito “Guia da Graduação em Medicina” para complementar a sua leitura e tirar outras dúvidas!

COMPARTILHAR

Leia também...

Escolha abaixo a melhor opção

Olá! Sou seu assistente Virtual. Posso te ajudar?

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Saiba mais.

Luciana Pereira Pacheco Werneck

Especialização em Gerenciamento de Projetos
Data de admissão: 01/02/2018
Disciplinas lecionadas

Luciana Pereira Pacheco Werneck

Especialização em Gerenciamento de Projetos
Data de admissão: 01/02/2018
Disciplinas lecionadas

Luciana Pereira Pacheco Werneck

Especialização em Gerenciamento de Projetos
Data de admissão: 01/02/2018
Disciplinas lecionadas