O uso dos porquês e outras dúvidas: o manual completo para você se dar bem no Enem!

Se você me perguntar: “Por que a gente precisa aprender o uso dos porquês para o Enem? Por quê?” Eu posso responder com: “Porque é importante para ter uma boa nota!” Viu, quantas versões diferentes em apenas duas frases? Por isso, é essencial saber usá-las na hora da sua prova e da redação do Enem, além de aprender para o dia a dia.

Neste post, confira os 4 usos dos porquês e suas frases de exemplos. Veja também quais outras palavras em português costumam gerar muitas dúvidas na hora da prova. Boa leitura!

Como é o uso dos porquês?

O uso dos porquês no português faz toda a diferença para ir bem na prova do Enem, mas também demonstra que você domina o nosso idioma na escrita. Por isso, é essencial aprender como usá-los. Aliás, não é muito difícil, já que eles têm diferenças bem claras. Confira a seguir!

Por que

Ele serve em dois casos: para início de perguntas e para estabelecer uma relação com um termo anterior. Então, de forma bem simples, você sempre vai colocar ele para introduzir uma dúvida ou questionamento:

Por que o sol é amarelo?

Por que eu tenho que tirar uma nota mínima no Enem?

Já no caso relativo, ele vai ser colocado no meio da frase para ligação. Dessa forma, pode ser substituído por “pelo qual”, “pela qual”, “por qual”, entre outros:

Você conhece o motivo por que deixei a presidência.

Você conhece o motivo pelo qual deixei a presidência.

Por quê

Já o “por quê” só é usado no final da pergunta ou sentença, e é seguido pelo ponto de interrogação ou ponto final. Nesse caso, pode ser substituído pelas expressões “por qual motivo” e “por qual razão”. Por exemplo:

Leia também:  Desvendando o déficit de aprendizagem: compreendendo e superando desafios

Ele estava bravo. Por quê?

Ela me deixou um presente, mas não disse por quê.

Porquê

Este caso é especial porque este “porquê” é usado como substantivo. Ele indica o motivo ou causa de alguma coisa:

Eu quero saber o porquê de você ir embora agora. 

Questionei sua atitude, mas ela não me contou os porquês de agir assim.

Porque

O uso mais comum é o “porque” para respostas. Nesse caso, ele também pode ser substituído por termos como “pois”, “uma vez que”, “por causa de que”, entre outros. Assim:

Eu não quero sair porque estou doente.

A menina chorou porque tinha caído do balanço.

O que mais é importante saber para o Enem?

Além de entender o uso dos porquês, existem várias outras palavrinhas que podem causar problemas no dia do Enem. Veja algumas delas a seguir e como usá-las!

Mau x Mal

“Mau” e “Mal” é uma dupla de palavras homófonas. Isso quer dizer que a gente pronuncia as duas da mesma forma, mas cada uma é escrita de um jeito e com significado diferente. Sendo assim, é só guardar que as duas são antônimos de “bom” e “bem”, respectivamente. Por exemplo:

Ele é um menino muito mau. > Ele é um menino muito bom.

Ela falou mal de você. > Ela falou bem de você.

Mim x Me

Essas duas palavrinhas em português causam uma pequena confusão, mas não são difíceis de compreender. Isso porque as duas são pronomes oblíquos, usados com a primeira pessoa do singular (eu).

Leia também:  Quais são os cursos da área de Ciências Sociais Aplicadas?

Na frase, elas funcionam como complemento ou objeto. Porém, “mim” sempre vem com uma preposição.

  • Me com verbo transitivo direto: Eu me chamo Carlos.
  • Me com verbo transitivo indireto: Ela me respondeu ontem.
  • Mim com preposição: Ela respondeu a mim.

Aqui também vale notar que embora a gente fale “me” no começo da frase, a norma culta só aceita esse pronome depois do verbo.

  • Como a gente fala: Me ligue à noite!
  • Como a gramática pede: Ligue-me à noite!

Mais x Mas

A famosa combinação de “mais” e “mas” é uma que gera dúvidas tanto quanto o uso dos porquês. Mas é bem fácil de entender.

  • “Mais” indica adição, quantidades e até negação.
  • “Mas” introduz uma frase e indica oposição, um contraste e até uma réplica.

Por exemplo:

Um mais um é dois.

Eu não quero mais fazer isso!

Sabia que estava errado, mas não mudou de ideia.

As duas blusas são bonitas, mas a verde é do seu tamanho e a azul não.

Mas como, você não vem na minha casa?!

Para ficar mais fácil, você pode tentar a substituição para descobrir qual usar. Nesse caso, quando indica oposição, “mas” pode ser substituído por “porém”, “contudo”, “entretanto”.

Sabia que estava errado, porém, não mudou de ideia.

Onde x Aonde

Uma dúvida bastante comum, para entender a diferença entre onde e aonde, primeiro temos que saber que “onde” é um advérbio de lugar. Ou seja, ele sempre vai se referir a um espaço. Por exemplo:

Onde fica a sua casa? 

Outra função que ele também exerce é a de pronome relativo. Nesse caso, significa que está mencionando um lugar já falado anteriormente:

Leia também:  Quantos tipos de médicos existem? Conheça 14 especializações em Medicina

São Paulo é a cidade onde eu moro. 

Seguindo essa regra, não podemos usar o “onde” como referência para tempo, nem para lugares que não são reais. Por exemplo:

Em janeiro, mudei de emprego. Foi onde minha vida mudou. 

Está errado, pois aqui a indicação deveria ser “quando”:

Em janeiro, mudei de emprego. Foi quando minha vida mudou. 

Já no caso de “O curso de Informática é onde você aprende a usar o computador”, o termo não indica lugar físico. Por isso, poderia ser substituído por:

O curso de Informática é a forma pela qual você aprende a usar o computador. 

Já “aonde” é um pouquinho diferente. Isso porque ele é a soma da preposição “a” com o advérbio ou pronome relativo “onde”. Assim, só é usado quando acompanha outro termo que pede esse “a” e indica movimento.

Por exemplo, o verbo “ir” pede a indicação de “a”, pois quem vai, vai a algum lugar. Portanto, fica assim:

Ela vai aonde sua mãe está. 

Ele levou o cachorro aonde estava seu dono. 

Viu, como saber o uso dos porquês é importante? E como além deles, tem muitos outros termos que podem causar confusão? Por isso, é importante se preparar com esses casos mais comuns, para dominá-los e fazer uma boa prova no Enem. Assim, você pode alcançar uma boa nota, além de dominar a gramática para montar um bom currículo, realizar uma boa entrevista e ir melhor no seu trabalho futuro.

Quer saber mais sobre o que cai no Enem e acaba prejudicando muita gente? Confira os erros de português mais comuns!

Confira nossas graduações!

COMPARTILHAR

Leia também...

Escolha abaixo a melhor opção

Olá! Sou seu assistente Virtual. Posso te ajudar?

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Saiba mais.

Luciana Pereira Pacheco Werneck

Especialização em Gerenciamento de Projetos
Data de admissão: 01/02/2018
Disciplinas lecionadas

Luciana Pereira Pacheco Werneck

Especialização em Gerenciamento de Projetos
Data de admissão: 01/02/2018
Disciplinas lecionadas

Luciana Pereira Pacheco Werneck

Especialização em Gerenciamento de Projetos
Data de admissão: 01/02/2018
Disciplinas lecionadas